Após acertar os últimos detalhes do nossa travessia do Vale do Pati, como guia e traslado, foi tempo de arrumar a mochila com toda a tralha e domir bem para enfrentar uma grande aventura de cinco dias.  Acordamos bem cedinho anciosos para botar o pé na lama, isso porque assim que começou a trilha na localidade de Bomba o céu caiu. Conseguimos fazer um acordo com um guia local chamado Thiago, além de guia de trilha ele também é um dos pioneiros da escalada, além dele acertamos com o Rafael para o retorno com a Rural, uma aventura bem planejada é a garantia de boa diversão.

Após  uma carona até a localidade de Bomba de cara pegamos uma  l0nga subida, aproximadamente umas duas horas até o platô que se estende pelo vale, deste ponto já se pode ter noção da imensidão do local, uma vista maravilhosa. Este ponto é fundamental para se orientar e decidir qual caminho seria a melhor opção para chegar até a nossa primeira parada, optamos por seguir um top de uma serra que segue a direita, devido ao grande volume de chuvas havia o receio de ficar atolado ou preso sem conseguir atravessar os riachos que cortam a trilha.

Até então tudo estava bem, mesmo com mochils pesada e uma subida ingrime e com muitos pedras no caminho, de  repente no meio da trilha um susto,  seguindo o procedimento de segurança todos calaram, em pouco tempo o som do enxame de abelhas ia ficando cada vez mais forte, foi tempo de se reunir e discutir a melhor alternativa para seguir em frente, optamos por contornar por fora o enxame de abelhas estava bem no meio da trilha. O problema é que a mata fora da trilha era mais alta e densa, poderíamos correr o risco de ser picados por uma cobra ou até mesmo perder a trilha.

Por precaussão alinhados um azinute e com a adrenalina a mil e tentando fazer o menor barulho possível seguimos em frente com êxito. Depois de alguma horas chegamos a nossa primeira parada, a famosa Igrejinha. Uma noite agradável, com direito a sopa quentinha e boa companhia. Para fechar o dia ou melhor a noite, um guia que estava com um grupo de franceses deu um show de capoeira ali mesmo com um berimbau afinado na fogueira de lenha.

Cuidado com as abelhas selvagens

Realmente sua apresentação foi de deixar a pequena platéia de boa aberta, não convencido da sua apresentação começou a contar umas histórias um tanto suspeita. A mais impressionante foi sobre um suposta visita do guitarrista Jimmy Page a cidade de Lençõis, onde o mesmo guia estava dando curso de capoeira para  estrangeiros, ”entre eles estava a filha de Jimmy Page um dos maiores guitarristas da história”, disse o guia, nem precisava falar isso para nós, todos fãs de Led Zepellin. Ele continuou falando sem parar, até que em certo momento Jimmy que estava presente no batismo da filha, segundo as palavras do guia ele o chamou para uma conversa  ao pé do ouvido e disse: ” tocar guitarra é fácil tem seis cordas, difícil é tocar berinbau que só tem uma”. Realmente ele tocava bem mais não era tanto assim, me despedi do pessoal e fui dormir, depois dessa não tive outra saída, imagina o que não rolou de histórias como essa pelo resto da noite, realmnte conseguiria aguentar.

Nossa aventura segue rumo ao Cachoeirão.

Para visualizar a galeria de fotos completa, clique aqui!