Nossa volta do Cachoeirão foi muito desgastante, a água que caiu durante toda a volta castigou bastante nossa resistência, e as mochilas que já pareciam ficar mais leve conforme os mantimento iam sendo consumidos derepente foram ficando muito, muito pesadas. Mesmo com toda a lama e as demais dificuldades chegamos ao alojamento da Dona Léia no início da noite, infelizmente não conseguimos adimirar a paisagem local em virtude da neblina.
 
Uma longa noite estava apenas começando, depois de uma sopinha para esquentar, passamos momentos agradávei a beira do fogão a lenha, arrumando os equipamentos de viagem, tentando secar algumas peças de roupa e jogando conversa fora com os outros hóspedes. O sono bateu cedo e revolvemos dormir,  para nossa azar lá pelas tantas da madrugada o tempo que já vinha fechado simplesmente se revoltou, a chuva que era intensa começou a ficar mais forte com a ação do vento, cemeçamos a temer pela casa de barro.

Morro do Castelo

O que estava ruim começou a piorar quando a chuva começou a invadir a casa pela lateral, entre o telhado e a parede.

Sem alternativas eu e minha namorada fomos obrigados a ficar bem juntos na lateral da cama junto da parede que era o único lugar que parecia ser o mais seguro e que escapava da chuva, sabe da frase o que estava ruim ficou pior, ficou pior ainda quando a cama simplesmente quebrou, ai não teve outra saida o negócio era dar rizada e tentar afastar o saco de  dormir somente depois que a chuva acalmasse.

Perdemos uma noite se sono e que nos forçou adiar nossa subida ao Morro do Castelo, mas ganhamos uma hitória que marcou muito nossa aventura.  Aproveitamos a tarde para ir até o nosso proximo ponto de acampamento a Prefeitura, um lugar também muito especial com pessoas muito especiais, conseguimos aproveitar melhor a nossa estadia, inclusive trocamos o aluguel do violão da caseiro por aulas grátis, já que ele estava começando a aprender.

O que mais me chamou a atenção foi que conversando com ele acabei percebendo o quanto longue da civuilização estas pessoas vivem, para ter uma idéia este rapaz de aproximadamente 15 anos não fazia nem idéia o que era o rock and roll. Passamos boa parte da noite tocando Raul e contando histórias, espero que tenha sido tão divertido pra ele quanto foi para nós.

Encontramos um vídeo que dá uma pequena noção da beleza local, vista panorâmica lá de cima com tempo aberto.

Nossa viagem estava chegando ao final, faltava apenas mais uma noite de acampamento e mais dois de caminhada, era hora de guardar forças para a subida da Ladeira do Império.

Para visualizar a galeria de fotos completa, clique aqui!